\"NA VISÃO DO GENTIL\" - ENTREVISTA COM FABIO “PANTHRO” BUCHNER - 17.04.2014

0
foto/Jayson Braga (arquivo)

(TOUCHDOWN) Como você começou a praticar a modalidade? Em que posições jogou ao longo de sua carreira?

 

Conheci o futebol americano aos 18 anos, em 2002, quando joguei pelo extinto time de areia Ipanema Devils. Tive passagens ainda pelo Falcões e Redlions, quando finalmente migrei para o futebol americano de grama. Ingressei no Rio de Janeiro Imperadores, onde me aposentei por conta de lesão e, depois de 2 anos afastado do esporte, voltei ao Fluminense Imperadores. Diante da história que a maioria conhece, para a minha felicidade o Fluminense Imperadores acabou e nos tornamos Flamengo FA, onde volto depois de 8 anos longe. Fui nadador do Flamengo por 8 anos e posso dizer que é o maior orgulho defender a bandeira do time de coração.

Em todos os times atuei como Linebacker, e por vários momentos joguei como Ofensive Tackle ou mesmo Defensive End, de acordo com a necessidade.

 

(TOUCHDOWN) O que você pode nos dizer sobre o time do Flamengo para esta temporada? Você acredita que existe alguma equipe que pode parar o time carioca?

 

Como todos já sabem, nosso time é composto por muitos jogadores experientes, oriundos do futebol americano de areia. Apesar do Flamengo FA ter 2 anos de existência, nossa estrutura técnica e elenco nos permitem sempre brigar de igual para igual com os melhores. Dizer que não há quem possa nos parar soa prepotente e arrogante, mas quem tiver este objetivo pode ter certeza que vai precisar treinar muito, se dedicar ao extremo e, talvez, contratar um ou dois americanos para ajudar no trabalho. Brincadeiras à parte, a mensagem que deixo aos adversários é que nós treinamos MUITO.

 

(TOUCHDOWN) Com 3 sacks, 5 tackles (sendo 2 para jardas negativas), um safety e um fumble forçado que resultou em Touchdown da defesa, você foi o destaque da partida contra o Uberlândia Lobos. O que você sente em fazer parte da história desta edição da competição?

 

O Futebol Americano é um jogo de equipe. Na defesa, somos todos peças de um xadrez dirigido pelos nossos coordenadores Grossi e Slaxis. Claro que fui muito feliz nas minhas jogadas, mas o mérito é de um trabalho intenso de toda a equipe. Ninguém joga sozinho. Ninguém treina sozinho.

Tenho que agradecer especialmente aos monstros da DL que fizeram todo o trabalho sujo no jogo e me permitiram realizar grandes jogadas.

 

(TOUCHDOWN) Você é o capitão de uma das melhores e mais agressivas defesas do campeonato. Como é a responsabilidade de desempenhar esse papel de líder numa defesa com tantos jogadores considerados “estrelas” no esporte?

 

Mais do que responsabilidade, posso dizer que é uma honra administrar a defesa do Flamengo dentro de campo. Conheço bem os jogadores, muitos deles há pelo menos 5 anos. Mais do que “estrelas”, como você diz, nossa defesa é formada por jogadores que foram coordenadores e capitães de vários times de futebol americano de areia. Esta questão se resolve com uma solução simples: hierarquia. Nós nos respeitamos e temos disciplina tática. Fica tudo mais fácil quando existe confiança mútua dentro e fora de campo, através dos coordenadores. Cada um desempenha o seu papel.

 

 (TOUCHDOWN) Com um time consistente, vocês já sonham com a primeira colocação de sua conferência?

 

Nós jogamos para ganhar, SEMPRE.  Essa vontade resulta em muita adrenalina e coração dentro do campo. Portanto, respondendo à sua pergunta, nós sempre miramos a primeira colocação. Não gostamos de perder nem par ou ímpar, imagina um jogo de futebol americano vestindo o manto rubro negro...

 

 (TOUCHDOWN) Pode deixar um recado para os atletas do Torneio Touchdown e do Flamengo F.A?

 

Aos jogadores dos outros times, que treinem muito. O nível do campeonato sobe visivelmente a cada ano. Cada vez há menos espaço para jogadores de finais de semana, para evoluir é fundamental se dedicar.

Aos jogadores do Flamengo, um abraço especial para os amigos que vão representar a seleção brasileira no próximo final de semana, ao HC Otavio Roichman os meus parabéns pelo nascimento do seu filho Davi, running back do Flamengo FA de 2031!  E claro que não poderia esquecer um “salve” para os guerreiros da defesa, que estão sempre treinando duro, cobrando resultados fora de campo uns dos outros, e dizer que esse ano ninguém tira o que é nosso!

Imagens:
Postar um novo comentário